quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Sentidos

Criatividade, bloqueio, isso eu ouço.........



Vejo que para ela eu não sou mais que algo, deixei de ser..... até esse algo.
Penso que só houve melhores momentos, realmente o único momento ruim foi perder ela.
Sinto que não vai ser tão fácil trazes ela para mim.
Capto no ar cheiro de medo, medo meu, medo dela, medo#.

Raiva, como posso errar  a ponto de não conseguir superar, talvez de tão certo, eu acumulei fator para erro, o resultado, um buraco do tamanho de um insuperável.
Amor, por ela e por mais ninguém .. não com esse amor.
Vontade de sinceridade, porem o "gosto" dela não vem em sachês de tempero.
Minha vida, só um erro.

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Reanimando...

Um dia você percebe que as coisas não são mais as mesmas, eu procurando ser uma pessoa de antigas eras, quando na verdade não mudei em si, só mudei em mim.
Sempre postando algo do meio depressivo ou triste, assim diziam os que esse blog liam, mas eu tenho fé que não é só isso que esta presente, ficou nele algo de "mais", algo que realmente eu gostaria de recobrar, Se Robert estive-se vivo, ele saberia como me ajudar.
As cores não são mais tão importantes, imagino que isso deva ser um sinal de que existe algo de muito errado.
Eu não saberia dizer, a muito não exercito meus poderes de lógica, os números me enferrujaram, os amigos estagnaram, as surpresas acabaram e nem os erros de português tem mais "vez".
O tempo me deixou em prol de sua tarefa, agraciado fui eu ao ter ele tão turista em minha vida, não reclamo negativamente, mas comento o meu preenchimento.
Personalidade é desnecessária, bem pensado, eu ter criado esse jeito estranho para conquistar, ele que acabou me tirando o mais precioso, ou ao menos o mais desejado em um tempo.
Projeto de pessoa iniciado, codinome Make, make, make and make, sim posso dizer que foi isso, afinal ainda ira terminar de um jeito decente de se ver, pensamentos complicas, densos e mal filtrados. Escrevo assim para e somente os que podem transcender a rede básica de visão, nada que seja de elogiar, apenas de sentir "pena".

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

O homem perfeito!

Pensamos em varias coisas durante a nossa vida, a maioria dela é voltada para o perfeito de algo.
Como a maioria dos meus devaneios, esse aconteceu em um momento qualquer e desinteressante.

Uma pessoa perfeita, sim, com tudo o que se possa imaginar dela em ápice de maximização. Agora, eu sei que é difícil imaginar isso, mas somente presuma, deixe acontecer.  

Se ela existisse, pense em:
Como se sentiria? 
Quais emoções ela teria? 
Sera que ela conseguiria ser feliz em nosso mundo ?
Se ela fosse desenhar, sabendo que o desenho seria perfeito, ela ainda desenharia? 
Talvez ela se sentisse entediada, mas poderia alguém perfeito ter tal sentimento, afinal perfeito seria algo completo e possivelmente negaria essa falta (entediado)! 

Um paradoxo ou falta de imaginação, o que poderia responder essa aposta? 

Poderia o ser perfeito acabar se moldando imperfeito para ter um sentido?

Sera que já fomos perfeitos e por motivos igual aos acima nos tornamos quem somos hoje ?

terça-feira, 9 de abril de 2013

Food.



Presos há muito tempo em uma cabana bem velha, em meio a um mundo de neve, sem muitos mantimentos, um casal e seus 2 filhos tentam sobreviver.
Sem poder sair muito, pois o clima repentino os prendeu de forma surpreendente em meio a barreiras de neve, assim sem conseguir alimentos. Sem poder fazer muito mais que esperar pela morte ou por fome ou por sede.  Marge de 35 anos e Marty de 46 anos que se preocupavam com os filhos, Andy de 8 anos e Molly de 5 anos, ambos muito depreciados pela fome, o racionamento de mantimentos dificultava as coisas, afinal fome é um sentimento horrível, que pai e mãe que não morreria emocionalmente por seus filhos ?
Toda noite após criar uma história para fazer as crianças dormirem e o fantasma da fome ir embora, eles sentavam no andar de cima e choravam inquietantemente até adormecerem. Infelizmente o tempo que já era curto se tornou menor ainda, em meio a uma noite Marge deitada no colo de Marty percebe que ele estava com um semblante meio estranho, um sorriso estático no rosto. Sem tempo de reação Margy é absorvida por um sentimento de desespero ao ouvir a vontade de Marty. A fome batendo a frente como principal problema, os pais preocupados com seus filhos tomam decisões estranhas. Na manha seguinte as crianças acordam, brincam e Marge os chamam para o almoço, para a surpresa deles um grande ensopado de carne bem cheiroso os aguardava na mesa, uma imagem esplendida só quebrada pela cara inchada de Marge.
Em meio à comilança Andy repara a falta de seu pai, ao perguntar dele para sua mãe ela não reage bem, correndo pelo corredor para uma porta em baixo da escada Marge se tranca e cai em prantos.  Andy não sabe o que esta acontecendo, mas sua mãe sabia, ela sabia que um adulto de 98 kgs renderia quando bem limpo carne para alimentar uma pequena família por mais 3 semanas, costela, bifes, gordura, souvenirs e varias coisas que se podiam fazer com restos humanos. O único problema é que o encargo emocional que geralmente viria junto foi pesado de mais para Marge, trancada em baixo da escada em uma salinha cheirando a mofo com carne fresca, ouve-se o ultimo suspiro de Marge junto aos restos mortais de seu marido. Um corte afiado da faca silencia a agonia desta situação cruel em que estava submetida, uma saída egoísta e nada sensata. Quanto às crianças, ah! As crianças, sim, elas choraram muito, Molly principalmente, durante mais 3 semanas  as coisas estavam feias, porem depois disso ficaram piores, fome mais a falta do que comer, a natureza influencia na personalidade humana, afinal Andy era mais forte.

domingo, 17 de fevereiro de 2013

Hello Jungle.



   Especial, eu não acredito em especial, simplesmente reconheço potenciais irracionalmente presentes em personalidades distintas. Como o sentimento que teríamos quando a nossa xícara de chá responde-se o nosso "oi" matinal¹, esse mesmo sentimento nos faria ao perceber que as pessoas em seus limites ilusórios são figuras ambulantes, ainda mais em sec. XXI .

    Eu me divirto com essas pessoas, o novo é a nossa principal característica. 

   O homem e seu nítido finalismo, finalismo digo eu no sentido de por fim em algo, delimitar, para  que possa impor uma posse a essa coisa. Quer algo mais delimitante que o nome das coisa ou o próprio tempo. Ao perceber que é insignificante ou no caso menor em aspectos do que esta ao seu redor o ser humano cria mecanismos de controle ilusório, assim como o pescador coloca nome em seus peixes para ter uma convivência com seres repetidos em sua vida e criar um certo trafego de personalidades, o homem brinca de dono do mundo dando limite as coisas e se projetando em algo maior que engloba tudo.

   Dizem que o Antropo centrismo acabou, bom eu tenho que discordar, nada mostra que o homem deixou de ser o centro do mundo, ou no caso por-se como centro do mundo, Deus contrata um representante dele na terra, o chama de papa, da poderes a ele, idade e direito de novo nome.  Um homem como representante de algo que é conhecido como o ápice de tudo . Um tanto estranho, O homem cria sistemas de governo anti naturais para o fazem ficar em meio a esses próprio sistema, pondo a si mesmo em destaque e ainda cria um efeito literário para parecer que são vitimas disto. 
    O Homem do seculo XXI aquele que burla suas próprias regras e histórias, cria paredes íngremes que derrubam todos de novo ao tão visado centro do Universo e chamam isso de acaso. Seres danados de criativos, como se auto subjugar, por um humano consciente.



¹Agradecimentos ao nosso querido "Moraca" pela fofoca de cada dia.

Titubetagen.


Sabe, perceber que você realmente não sabe quem você é, isso sim me faz sentir medo na vida.

Passar horas e horas procurando o que definiria seu jeito de ser e simplesmente chegar a duas alternativas:

  •         Você tudo que existe e tem tudo dentro de si;

  •            Você não é nada além de um espelho, que nada mais faz do que replicas.


Isso realmente me deixa assustado, pois um espelho só se mantem calmo porque ainda não tem consciência de si, após adquirir essa consciência com certeza ele se rebelaria contra tudo e todos.

Não sei dizer, procuro um sentido nas coisas, mas acho que o sentido não procura nada serio comigo. Veja não que eu esteja em depressão ou em mártires, só não sei o que é estar assim, por isso não poderia estar.

Eu falei há pouco tempo para uma pessoa que eu gostava da pequena sensação de liberdade que enxergava nas coisas, engraçado que não a vejo agora, minha mente vazia é problemática, seria isso o fator que faz um espelho ter consciência.

Engraçado, mesmo agora não sei quem eu sou.

Que presunção a minha, um homem em busca de sua essência, isso resume a historia do mundo quase que por completa, sempre tem um fulaninho andando atrás de seu eu.

Bom, não espero que consiga isso, não enquanto Champs ou Robert, mas talvez como algo maior. 
Enquanto o maior não chegar eu vou criando o que os humanos criam de melhor, Ilusões para entretenimento próprio.